em Blog

Talvez a temática seja antiga e até clichê, mas o filme Ela, que possui 5 indicações ao Oscar entre elas a de melhor filme e a de melhor roteiro original, mostrou como a tecnologia pode fazer parte da nossa vida em um futuro muito (mas muito) próximo.

O filme conta a história de Theodore, interpretado por Joaquin Phoenix, que trabalha em uma empresa e escreve cartas em nome das pessoas que contrataram o serviço.

A cena inicial mostra o personagem trabalhando e o modo como ele escreve as cartas é bem interessante. Tudo é feito de forma virtual. Ele fala o que é pra ser escrito na carta, e um microfone capta a voz dele e transcreve as palavras na tela do computador.

Recém separado, ele resolve testar um aplicativo com a esperança de preencher aquele vazio que a sua ex-mulher deixou em sua vida. Esse programa trabalha com uma inteligência artificial, com a percepção. Ou seja não é apenas uma voz programada para dizer as mesmas coisas. E é assim que ele conhece Samantha cuja voz é da atriz Scarlett Johansson, que por sinal, mostra no filme uma outra habilidade artística que é cantar.

 

O programa apresentado se parece com uma pessoa de verdade, e isso faz com que seus usuários encontrem amigos ou até novos companheiros. Quando eu digo que a temática é antiga, quero dizer que a gente já anda ouvindo isso há algum tempo.

O relacionamento entre Theodore e  Samantha  era real, mesmo sabendo que ela não era uma pessoa, e sim um programa de computador. E quantos relacionamentos não devem existir exatamente como esse ao redor do mundo?

Quando esse programa foi apresentado, logo me lembrei da Siri, assistente pessoal dos aparelhos da Apple, que de certa forma, ela cria algumas conversas com você, mesmo que limitadas.

Diferente de alguns filmes de ficção científica que mostram de uma maneira um pouco exagerada a intervenção da tecnologia no cotidiano, Ela mostrou a tecnologia inserida de maneira mais próxima e foi fácil acreditar que um dia teremos amigos e amores virtuais, ideais para aqueles que têm medo de socializar ou que só precisam de uma forcinha do destino (ou no caso, de uma máquina) para deixar o passado pra lá e viver o presente.

É um filme que vale a pena assistir pela história, pelo fato de ser um indicado ao Oscar 2014 e por ter Joaquin Phoenix, Scarlett Johansson e Amy Adams no elenco.

“Ela não é apenas um computador” – Theodore

“Eu sinto que eu posso ser qualquer coisa quando estou com você” – Theodore 

Comentarios

Comentarios

Comece a digitar e pressione Enter para pesquisar

hiper-realismo-nathan
%d blogueiros gostam disto: